Colunista: Maria Izabel Scalco
Escritora e Palestrante

cadastre-se ou faça login para utilizar os novos recursos do portal.

Era uma vez um poeta... Fragmentos da vida e obra do poeta universal Apparício Silva Rillo. Este depoimento é do grande músico e compositor e músico são-borjense Chico Saratt

Trazemos aos presados leitores, um recorte de nosso terceiro livro, co m sua primeira edição quase esgotada, Era uma vez um poeta... Fragmentos da vida e obra do poeta universal Apparício Silva Rillo. Este depoimento é do grande músico e compositor  e músico são-borjense Chico Saratt

                                                                                                                                                                                                                                                      Maria Izabel Guimarães Scalco

 

Lembro como se fosse hoje a primeira vez que encontrei o Rillo. Eu era um menino com aproximadamente nove anos, e passava todos os dias na frente dos Angueras, pois era o meu caminho para o colégio, o “Grupo” (tirei o que)era como chamávamos o Grupo escolar Getulio Vargas na época.

Às vezes eu me atrasava pra chegar em casa, pois na saída do colégio eu ficava ali na frente escutando aquela música que passava pelas frestas do galpão para a rua(tirei virgula) e ficava imaginado o que estaria acontecendo lá dentro, ficava hipnotizado e tinha muita vontade de entrar, o que nunca aconteceu ali naquele lugar. Lembro de ouvir a canção “O pescador, se vai, se vai, remando a chalana no Rio Uruguai”. Até que um dia finalmente me topei de cara com eles saíndo do clube, aquele momento foi mágico na minha cabeça de fã, estava em frente a meus ídolos. Imagina!!

Nesta época eu já tocava minha viola(sem virgula) e meu professor era o Guto Schiinnórr que fazia aula de violão com o professor peixinho e após a aula tudo o que ele aprendia ele me ensinava. Foi assim que aprendi a tocar.(sem espaço) Meses mais tarde aconteceu uma festa na sede campestre dos Angueras, lembro que era uma festa onde o homenageado seria o Senhor Helio Dourado do Grêmio Futebol Porto Alegrense, então o “Gordo”( Eduardo Bicca), filho do tio Zé me convidou pra ir junto. Topei na hora.(tirei o E e o espaço)Lá pelo meio da festa alguém avisou que eu tocava violão e cantava e então fui convidado a fazer parte da tertulia que haveria.  Cometi uma pequena gafe na minha apresentação ao querer falar antes de cantar e ofereci a música ao homenageado do dia que era o senhor Helio Dourado, e lasquei:

”OLHA O DOURADO, OLHA O DOURADO, OLHA O DOURADO....QUE BATEU NO ESPINHEL, TRAZ A CANOA QUE RIO FUNDO NÃO DA PÉ”, todos riram muito da minha ingenuidade infantil, mas fiz a minha homenagem, e essa foi minha primeira apresentação em palco para um público.

Das canções que gravei dos Angueras em meu CD, tem uma delas que tem uma curiosidade, é a única música que tem a letra e música de autoria do Rillo, todas as outras eram parcerias com o Zé Bicca ou com o Nando Coelho, mas esta é cem por cento dele.

O Zé Bica me contou um dia, quando lhe perguntei como Rillo havia feito para compor se não tocava violão. Então fiquei sabendo que ele fez a letra e mostrou cantando pro Zé como deveria ser a música e o Zé respondeu: - Está pronta a música! A canção se chama “Rio de Infância”  e eu sempre me identifiquei muito com ela.

Ela compara a vida com o Rio Uruguai, Um menino que cresceu ao lado do Rio e um dia foi-se embora com ele e nunca mais voltou, que tinha sido muito facil ir embora e que era muito difícil voltar. Eu me emociono sempre que canto essa canção. E vejo que muitas pessoas se identificam também com ela, e acho que o Rillo de alguma maneira através  de um rio imaginário também partiu um dia da cidade de Guaiba rumo a São Borja e nunca mais conseguiu voltar também.

Ele era simplesmente genial, conseguiu em uma canção arrancar do peito a sua propria dor pessoal de um dia ter partido e mesclar com a dor de qualquer pessoa que parta de qualquer lugar para qualquer lugar fazendo uma analogia com as águas do Rio uruguai, que passam e não retornam nunca mais.

CHICO SARATT

(Músico e compositor)

Publicidade

FlashSB - Levando São Borja para o mundo!
© 2012 - Todos os direitos reservados. Melhor visualizado em 1024x768px. Desenvolvido por index1